Portfolio Item
Dengue
Saiba mais
Portfolio Item
PLANOS DE VACINAÇÃO
Portfolio Item
Vacinação em
DOMICÍLIO
Portfolio Item
Vaccini para
EMPRESAS
Portfolio Item
Vaccini para
ESCOLAS
Portfolio Item
Consulta ao Viajante
CBMEVi
Portfolio Item
Vacinação de
URGÊNCIA
Portfolio Item
VÍDEO Institucional
Portfolio Item
Saúde em Dia
Portfolio Item
Guia de Saúde
VIAGENS DE NAVIO
Portfolio Item
Curso de GESTANTE
Portfolio Item
Calendários de Vacinação
SBIm
O que é Febre Amarela?
É uma doença infecciosa febril aguda causada por um vírus e transmitida por mosquito (Haemagogus, Sabethes e Aedes aegypti). Pode se dividida em dois tipos: silvestre e urbana.
Qual a diferença entre febre amarela silvestre e a febre amarela urbana?
Ambas são semelhantes e a principal diferença é em relação ao vetor (transmissor): na forma urbana o mosquito transmissor é o Aedes aegypti e na forma silvestre os mosquitos transmissores são silvestres (Haemagogus, Sabethes). A febre amarela silvestre é uma doença típica de macacos que vivem nas florestas tropicais e equatoriais. O aparecimento de casos humanos da doença é precedido de epizootias (morte de macacos) e só ocorre quando humanos invadem o habitat dos macacos. A febre amarela urbana não ocorre no Brasil desde 1942, entretanto com a ampla disseminação do mosquito Aedes aegypti no país há risco de reurbanização do vírus da febre amarela.
Como se pode controlar os mosquitos que transmitem a doença silvestre?
A febre amarela que temos hoje no Brasil é a de transmissão silvestre, transmitidas pelos vetores silvestres, mas prevenir esses mosquitos é impossível porque fazem parte da natureza. A reprodução desses mosquitos está mais ligada ao ambiente silvestre.
Como se pega?
Por meio da picada do mosquito infectado com sangue de animais doentes, sendo o macaco a principal fonte de infecção da doença. Não existe transmissão de pessoa a pessoa. A doença é sempre transmitida pelo mosquito contaminado.
Quais são os sinais e sintomas da doença no ser humano?
Inicialmente surge febre, icterícia (pele e olhos amarelados), dor de cabeça, calafrios, dor lombar, dor muscular com mal estar, náuseas, vômitos e diarréia. Evolui para problemas de fígado e rins (insuficiência hepática e renal) acarretando a diminuição ou ausência de urina, sangramentos, confusão mental, podendo causar a morte.
Após quanto tempo é possível observar os sintomas da febre amarela?
As pessoas costumam apresentar os primeiros sintomas de três a seis dias depois da picada. Devem procurar atendimento médico e, de preferência, levar o cartão de vacinação e não esquecer de informar sobre história de viagens e exposição a matas, florestas etc.
Em quanto tempo sai o resultado de um exame para a identificação do vírus no sangue?
Esse exame leva no mínimo 15 dias por ser muito complexa a técnica usada para o isolamento do vírus. Mas a sorologia é um método mais rápido, ficando pronto em 48 horas.
Qual é o tratamento para a da febre amarela?
O tratamento é sintomático, com cuidadosa assistência médica ao paciente que, sob hospitalização deve permanecer em repouso com reposição de líquidos e perdas de sangue, quando indicado. Nas formas graves os pacientes devem ser atendidos em Unidades de Terapia Intensiva.
Qual é a chance de uma pessoa contaminada morrer?
A doença tem várias formas de apresentação clínica, de assintomática até doença grave. A forma grave é quase 100% letal. Nos últimos dez anos, a taxa de mortalidade foi de 46%.
Quais as áreas de risco no Brasil?
A maior parte do Brasil é considerada região endêmica ou área de transição e, portanto, de risco em maior ou menor grau. Excetuam-se de risco as regiões contidas na grande faixa litorânea desde o Piauí até o Rio Grande do Sul (com extensão variável em direção ao continente, em alguns estados). Com a ocorrência de casos em Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Bahia e Rio de Janeiro, foram definidas novas áreas de vacinação chamadas de áreas de recomendação temporária de vacinação, dividindo o país em áreas com recomendação, com recomendação temporária e sem recomendação de vacinação de rotina.
Há o risco de a doença se espalhar para grandes centros urbanos ou para áreas que não são de risco?
A ocorrência de epizootias (casos febre amarela silvestre em macacos) é um sinal de circulação viral em uma região, e serve como alerta para a possibilidade de transmissão da doença silvestre para humanos. A partir da transmissão para humanos, passa a existir um risco de expansão da doença para as cidades, onde o mosquito Aedes pode ser contaminado, passar a transmitir o vírus  e estabelecer o ciclo urbano da doença, particularmente em regiões com população não vacinada.
Em 2017, epizootias têm sido registradas em vários estados do Brasil nas últimas semanas e meses, com destaque para os estados de Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. Nestas mesmas regiões, foram notificados casos suspeitos de febre amarela silvestre em humanos. Muitos foram confirmados, outros ainda estão em investigação e outros descartados. Não há até o momento evidências de reurbanização da febre amarela no Brasil, razão essa que justifica a introdução da vacinação somente nas regiões de risco e não vacinação universal no país. Para evitar a urbanização da doença, o Ministério da Saúde estabelece estratégias de vigilância de epizotias e de casos suspeitos em humanos, além de intensificação da vacinação em áreas de risco potencial, a fim de obter uma cobertura vacinal ideal de pelo menos 90% da população.
Qual é a importância da morte de macacos em relação a doença?
A morte de macacos (epizootias) representa um alerta para o aparecimento de casos de febre amarela em humanos. Por isso, é fundamental seu monitoramento.
Como se caracteriza uma epidemia de febre amarela?
Uma epidemia quer dizer que a doença não se restringe a uma área, já sabida como de risco. Considera-se epidemia quando a doença atinge uma grande parte de municípios, de um estado, ou outras áreas (até de outros estados), que não são de risco.
Como posso me prevenir contra a doença?
A vacinação é a maneira mais eficiente de se proteger. A rede pública de Saúde oferece vacina totalmente eficaz contra a doença, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz. Além da vacinação, é importante o controle dos mosquitos transmissores, o que só pode ser feito em relação à forma urbana, colocando em prática todas as orientações já muito divulgadas para eliminar o Aedes aegypti . A vacina protege a pessoa por dez anos; se a pessoa permanecer em área de risco ou voltar a viajar, deve vacinar novamente a cada 10 anos.
Onde posso ser vacinado?
Nas clínicas privadas credenciadas junto à Anvisa e nas Unidades Básicas de Saúde. Veja aqui as unidades Vaccini que, além da aplicação da vacina, podem emitir o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP).
Quem deve tomar a vacina?
A vacina já faz parte do calendário de vacinação básica dos estados considerados de risco, onde TODOS devem ser vacinados, a partir de 9 meses de idade. Para o restante do país, a vacina está disponível e é recomendada para quem vai viajar para áreas de risco e não tenha se vacinado nos últimos dez anos.
A partir de quantos meses um bebê pode se vacinar?
O bebê pode ser vacinado a partir dos seis meses de idade, se residir em uma área em que há morte de macacos com suspeita de febre amarela e na área em que há casos de febre amarela silvestre. Mas fora dessas situações, o calendário de vacinações indica a partir de nove meses de idade. O mesmo é recomendado para gestantes.
Quem está tentando engravidar pode tomar a vacina?
Não sendo indicada a vacina para gestantes, quem está tentando engravidar já pode estar grávida e, assim, não pode tomar a vacina nesse período. É recomendado aguardar um mês após a vacinação para começar a tentar engravidar
Existem contra-indicações da vacina?
A vacina contra febre amarela é contra-indicada para crianças com menos de 6 meses de idade, pessoas com baixa imunidade (causada por doenças ou tratamentos), gestantes e quem tem alergia a ovo de galinha e derivados.
Há algum tipo de doença (hipertensão, diabetes, ou outra doença crônica) que impede a vacinação?
Nessas condições citadas não existem contra-indicações para a vacinação, apenas as situações citadas anteriormente.
O que devem fazer as pessoas que não podem se vacinar?
Elas devem procurar orientação médica. Em caso de não ter como evitar a permanência em áreas silvestres, a pessoa deve reforçar o uso de repelentes.
Que tipo de reação a vacina pode provocar?
Dor no local de aplicação, febre, dor de cabeça (cefaléia), dores musculares (mialgia), nos primeiros dias após a vacinação durando de 1 a 3 dias na maior parte dos casos. Casos graves são raramente relatados. Na ocorrência de eventos adversos, procurar o serviço de saúde para que seja feita a notificação, investigação do fato. Mas esses efeitos são raros.
A vacina contra febre amarela pode ser administrada no mesmo dia, com outras vacinas do esquema de vacinação?
Sim. Desde que feitas em regiões anatômicas diferentes
Existe algum cuidado específico que a pessoa precisa tomar ao se vacinar?
Não há problema de associação de álcool e vacina, não foram constatados problemas em relação ao uso de medicamentos depois da imunização, mesmo considerando remédios controlados, não há qualquer recomendação em relação à alimentação antes ou depois da vacinação, não deve haver nenhuma preocupação com movimentação brusca do braço após a vacinação.
Após a vacinação, existe algum cuidado específico precisa ser tomado para não se contaminar?
Não. A vacina assegura 100% de imunização, após o décimo dia de aplicação, e essa proteção dura dez anos.
Uma pessoa não sabe se tomou a vacina ou há quanto tempo, precisa vacinar novamente?
Na dúvida, a recomendação é para se vacinar.
Se a pessoa estiver retornando de um local de risco e não foi vacinada, deve ficar atenta a quais sintomas?
Se ela não está vacinada é preciso verificar se aparece febre, dor de cabeça, dor no corpo, dor abdominal. Nessa situação, procurar um serviço de saúde.
Pessoas que farão viagens internacionais e não tomaram vacina antecipadamente podem ser impedidas de viajar?
Sim, se o país para o qual ele se dirige exige a vacinação. A publicação é feita periodicamente no site da OMS e também da Anvisa.

FONTE: Dra Isabella Ballalai
CRM: 52 49728-9
Diretora-médica da Rede Vaccini

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn